“Nem só de pão viverá o homem, mas de toda palavra que procede da boca de Deus'”.
(Mateus 4, 4)

Os católicos celebram durante o mês Agosto foi mês das vocações, setembro o mês da Bíblia, outubro será mês das missões. Assim segue o Ano Litúrgico, destacando aspectos da vida e missão da Igreja e de cada um de nós como fiéis cristãos batizados. Cada um de nós tem uma vocação, por exemplo, para a vida em família ou a sacerdotal ou a religiosa ou a laical. Para todos nós a Palavra de Deus é luz que ilumina os nossos passos. Todos nós devemos ser discípulos e missionários de Jesus Cristo a serviço da vida.

Como sintetiza um texto da Conferência dos Bispos do Brasil, o Mês da Bíblia surgiu em 1971 por ocasião do 50º aniversário da Arquidiocese de Belo Horizonte. Desde então tem destacado a importância da leitura, do estudo e da contemplação das Sagradas Escrituras. Na verdade, o Mês da Bíblia contribuiu muito para o desenvolvimento da Pastoral Bíblica no âmbito paroquial e diocesano

A escolha do mês de setembro para dedicar-se à Bíblia deve-se ao fato de no dia 30 de setembro ser comemorado o dia de São Jerônimo. Este santo foi quem traduziu a Bíblia dos originais (hebraico, grego e alguns trechos em aramaico) para o latim.

A tradução feita por São Jerônimo chama-se a “Vulgata” (de “vulgata editio”, “edição para o povo”) e foi o texto bíblico oficial da Igreja Católica até a “Neovulgata” em 1979.

Este mês dedicado à Bíblia tem como objetivo: contribuir para o desenvolvimento das diversas formas de presença da Bíblia, na ação evangelizadora da Igreja, no Brasil; criar subsídios bíblicos nas diferentes formas de comunicação; facilitar o diálogo criativo e transformador entre a Palavra, a pessoa e as comunidades.

A mensagem para nós é simples. Se quisermos seguir a Jesus precisamos assumir a nossa cruz do dia a dia da vida e da missão que temos que cumprir neste mundo. A leitura orante das Sagradas Escrituras nos ajudará sempre mais a compreender o mistério da vida, paixão, morte e ressurreição do Senhor e nos colocará no caminho do Reino de Deus e de sua justiça.

 

Fernanda de Almeida