*
*

“Ela dará a luz um filho e lhe porás o nome de Jesus, porque ele salvará o seu povo dos pecados deles.” (Mateus 1,21)

Vamos falar de Liturgia!

Estamos prestes a começar nosso novo Ano Litúrgico, e com ele um novo ciclo com o Advento, do latim Adventus: “chegada”, é primeiro tempo na liturgia, o qual antecede o Natal. Tempo de preparação para o nascimento de Jesus Cristo.

As vestimentas litúrgicas, se possível, devem ser de cor roxa, que simboliza nossa conversão em preparação para o Natal, tendo exceção no terceiro domingo, onde o rosa substitui o roxo, mostrando o Domingo da Alegria.

O advento corresponde aos quatro domingos que antecedem o Natal, onde cada um tem uma vela especial e de cor diferente, que serão acesas, uma a uma, desde o primeiro até o quarto domingo, para iluminar a vigília do advento.

1ª Vela: Vermelha, lembra o profeta Isaías, que proclamava: “O povo que andava nas trevas viu uma grande luz que resplandeceu na região tenebrosa.” Significa na terra onde Jesus nasceu de uma virgem chamada Maria.

2ª Vela: Azul (roxa), lembra o profeta João Batista (precursor do Salvador) que veio dar testemunho da verdadeira luz que é Cristo. Veio para o que era seu, mas os seus não o reconheceram. Mas a todos aqueles que o receberam (creram no seu nome) deu-lhes o poder de se tornarem filhos de Deus.

3ª Vela: Rosa, lembra Maria que recebeu a mensagem do anjo. “Não temas, Maria, eis que conceberás e darás à luz um filho e pôr-lhe-ás o nome de Jesus e será chamado filho de Deus, sendo luz para todos que jazem nas sombras da morte.”

4ª Vela: Amarela (branca), lembra o próprio Jesus Cristo, anunciado pelos profetas e acolhido por Maria, sua mãe. E o anúncio: “Eu sou a luz do mundo. Quem me segue não andará nas trevas, mas terá a luz da vida.”

Mas como podemos nos preparar para o Advento?

O Advento representa o tempo propício para a prepararmos nosso coração. Provoca-nos a transformação por Cristo, que quer nascer novamente em nossa vida neste Natal. Celebrar bem a solenidade do Natal do Senhor requer que saibamos apresentar a Deus um coração bem disposto, pois “não desprezas, ó Deus, um coração contrito e humilhado” (Sl 51, 19). Um coração que busca com sinceridade a conversão é fonte de inestimável comunhão com o Senhor e com os irmãos. Neste tempo de Advento não tenhamos medo de Cristo. “Ele não tira nada, Ele dá tudo”.

Fernanda de Almeida